Para que um material gráfico tenha qualidade total e cumpra seus objetivos, é fundamental que todas as etapas do processo – da editoração ao acabamento – sejam bem feitas. Fases que costumam gerar dúvidas são o fechamento do arquivo e o envio para a gráfica, com as especificações corretas. Elas devem ser feitas com cuidado, para que o processo seja concluído sem erros.

Para o designer gráfico, Luciano Skorianez, estes passos merecem atenção, pois impactam na qualidade final do trabalho. “As etapas de especificação do pedido e fechamento de arquivo são fundamentais para que a criação gráfica não fique comprometida na hora da impressão e a satisfação do nosso cliente”, afirmou.

No momento de fazer o pedido, devem ser informados o nome do projeto, a tiragem que deve ser impressa e a quantidade de cores que serão utilizadas (4/4 cores significa que nos dois lados da lâmina serão usadas as quatro cores principais – Ciano (C), Magenta (M), Amarelo (Y) e Preto (K), que dão origem a quase todas as outras; já 4/1 indica que a frente será colorida, usando as 4 cores, e no verso será usada somente uma cor, e assim por diante).

Também devem ser especificados o formato aberto e o formato fechado do arquivo. Formato aberto é o material antes de receber acabamentos, principalmente as dobras, enquanto formato fechado é aquele que o material terá no final da produção. Por exemplo, o formato aberto de um arquivo pode ser o A4 (210×297 mm) e o formato final, após duas dobras, ser 100x210mm. Ambos devem ser enviados para a gráfica, para não ter nenhum erro.

Por fim, também é importante informar a quantidade de dobras que o material terá e todas as outras particularidades de acabamento, como a utilização de laminação ou verniz localizado em determinadas páginas.

O passo a passo para o fechamento de arquivos, por sua vez, depende do tipo de material que será impresso e do software utilizado, mas elaboramos algumas dicas para te ajudar neste trabalho.

Utilize o sistema de cores CMYK, que é o usado para impressão. Quando houver alguma cor especial, use a escala Pantone (e tenha algum material impresso como referência, pois os monitores não reproduzem as cores iguais). Se for enviado um arquivo em RGB para a gráfica, pode ser que as cores impressas saiam muito diferentes daquelas que foram planejadas.
Use imagens com resolução mínima de 300 dpi, para evitar que elas fiquem embaçadas e com baixa qualidade quando forem impressas. Essas imagens devem ser tratadas à parte do programa onde a arte final está sendo criada.
Prefira o uso de programas de editoração gráfica como Adobe Photoshop, Adobe Illustrator, Corel Draw ou Adobe Indesign. Eles geram impressos de muito mais qualidade. Evite o uso de Word, Excel e Power Point para impressões em alta qualidade.
“Sangre” seu documento. Isso significa exceder a área final do impresso em pelo menos 3 mm de cada lado, para evitar que o material venha com uma bordinha branca após o corte/refile.
Use uma margem de segurança do corte/refile de pelo menos 3mm, para evitar que os textos ou elementos gráficos sejam cortados.
Revise o texto com muito cuidado. Depois de impresso, não dá mais tempo de corrigir.
Converta o texto em curvas. Evite enviar arquivos com textos editáveis para não correr o risco da fonte ser trocada se a gráfica não tiver a correta.
Não utilize fios muito finos, pois dependendo do tipo de impressão pode ficar praticamente invisível. Utilize medidas de no mínimo 0,15 mm.
Lembre que, em impressos, a medida utilizada é centímetros ou milímetros e não pixels.
Caso resolva enviar os arquivos abertos para a gráfica, organize todas as imagens, fontes e textos utilizados em uma mesma pasta e os envie junto com o arquivo final.